Meninos, eu vi!

Tutty Vasques

14 Fevereiro 2013 | 06h23

reproduçãoImagine-se na seguinte situação: você saiu para dar uma caminhada, foi driblando blocos por ruas adjacentes ao barulho, dobrou uma esquina e, santo Deus, havia uma moça agachadinha, de costas, pelada da cintura para baixo, fazendo xixi atrás de um carro estacionado que a protegia da visão de quem vinha de lá.

O que um sujeito decente, como é o caso, deve fazer nessas circunstâncias? Torce para ela não olhar pra trás, e passa na ponta dos pés espiando de esguelha? Dá meia volta antes que sua aproximação seja percebida? Se finge de cego? Ou solta um “opa” pra garota e segue em frente com naturalidade?

Não há tempo para definir estratégia! Antes disso, ela vai girar a cabeça sobre o pescoço e, ainda dentro daquela fração de segundo regulamentar, te avistará com a mesma expressão de espanto de quem a flagrou sem saia justa, sequer.

O flagrante por um instante é mútuo, mas a decisão de o que fazer para evitar constrangimento ainda maior é só sua, visto que o xixi em curso parece não ter hora para acabar.

Enfim, tapei os olhos com uma das mãos e passei batido, mas vou inventar final mais excitante para contar sobre meu carnaval inesquecível no Rio.