Não levem muito a sério os humoristas!

Não levem muito a sério os humoristas!

Tutty Vasques

07 de março de 2010 | 09h29

ILUSTRAÇÃO POJUCAN

ILUSTRAÇÃO POJUCAN

Não convidem Marcelo Tas e Marcelo Madureira para a mesma roda de piadas. Explica-se: quando ouviu o gaiato do Casseta dizer à TV Estadão que “hoje é quase impossível fazer humor político no Brasil por causa da censura!”, o careca debochado do CQC teve um acesso de riso, que se repete toda vez que ele topa na internet com uma notícia ou uma foto do concorrente da Globo. Isso quer dizer o seguinte: se eles se encontrarem, vai dar briga!

Nenhum humorista gosta que riam dele por trás! Taí o Ziraldo que não me deixa mentir. Censurado numa época em que Marcelo Madureira ainda andava de calça curta, o ex-presidente do Pasquim não achou graça nenhuma na decisão da Justiça Federal que negou equiparação de sua pensão mensal de anistiado político (R$ 4.375,88) com a do coleguinha Carlos Heitor Cony (R$19.431,91). Isto é, de fato, uma coisa muito séria, né não?

O Marcelo Tas ri agora, mas, quando chegar à idade do Ziraldo, capaz de pedir idenização compatível com a reparação financeira conferida a Marcelo Madureira por perseguição sofrida nos anos de chumbo de Luiz Gushiken. No fundo, no fundo essa gente que trabalha com humor é toda igual. Tô nessa!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: