No meio do caminho tinha um protesto!

Tutty Vasques

10 Setembro 2013 | 06h05

ilustração pojucanilustração pOjucanilustração pojucan

Com todo respeito às minorias, chega uma hora que é preciso coloca-las em seus devidos lugares, de acordo com o tamanho de cada protesto. Com menos de 2 mil manifestantes, digamos, ninguém deveria ter direito de bloquear inteiramente o trânsito em avenidas como a Paulista ou a carioca Rio Branco.

É uma questão de proporcionalidade com a quantidade de gente que vai se danar toda por causa de uma bronca – quase sempre muito justa – no caminho. Manifestações como tantas que a gente tem visto por aí, com menos de 200 indignados pingados em via pública, deveriam ser restritas às calçadas, preservando-se espaço livre para o ir e vir de pedestres.

Os movimentos sociais teriam que cumprir metas de mobilização reunindo pelo menos 500 simpatizantes para cada faixa de tráfego invadida durante passeatas.

Não sei se está dando para o leitor ouvir daí, por aqui a voz das ruas começa a se indignar com o varejão de protestos na cidade. Escuta só!