“Nós vai, Curinthia!”

Tutty Vasques

06 de julho de 2012 | 02h10

ilustração pojucanAcostumado a enfrentar a fúria de terremotos, tsunamis e vulcões, o Japão deve tirar de letra a invasão corintiana prevista para dezembro.

Fenômeno natural no Brasil como o quebra-quebra festivo da madrugada da última quinta-feira em São Paulo, francamente, do outro lado do mundo é pinto! Os japoneses sabem lidar com o problema.

O que mais preocupa na empolgação desenfreada que tomou conta da Fiel após a conquista da Libertadores é a maneira impulsiva com que um bando de loucos vem tomando a decisão de acompanhar o Timão na final do Mundial de Clubes contra o Chelsea.

“Nós vai, Curinthia!”

Ontem mesmo, tinha torcedor no sufoco habitual da Estação Itaquera do metrô combinando com amigos pegar carona para Tóquio na Marginal Tietê, sem saber ao menos pra que lado fica o Japão.

Gente que comprou ingresso falso na Bombonera e levou teco de bala de borracha na porta do Pacaembu faz agora fé na maior seriedade dos cambistas e policiais japoneses para, enfim, participar da festa corintiana em 2012.

Sem querer jogar água no chope da galera, como dizia Gilberto Gil numa antiga canção sobre a possibilidade de ir pro Japão, “se oriente, rapaz”!