O barato do sofrimento

Tutty Vasques

13 de novembro de 2013 | 06h15

ilustração pojucanNão sei se isso consola torcedores de times que andam por aí caindo pelas tabelas, mas o sofrimento no futebol é muito mais barato que as alegrias de arquibancada. No Maracanã, por exemplo, o mesmo ingresso que no domingo saiu a R$ 10 para vascaínos na corda bamba do Brasileirão custará R$ 250 aos flamenguistas acomodados atrás do gol na final da Copa do Brasil.

A incrível desproporção de um jogo que vale 25 vezes mais que outro multiplica-se por cinco se compararmos a bilheteria do time que disputa título com a de outro que já não briga mais nem para não cair. Enguiçado no meio da tabela, o Santos está liquidando a R$ 2 o lugar no tobogã do Pacaembu, amanhã contra o Bahia. Vai precisar de 125 pagantes para faturar o que o Flamengo cobra por ingresso nas alas menos nobres da plateia na decisão com o Atlético Paranaense.

O bilhete mais caro da final no Maraca custará R$ 800. Deviam – mas não vão! – devolver o dinheiro em dobro ao torcedor em caso de derrota do Flamengo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.