O bobo sempre perde para o rei

O bobo sempre perde para o rei

Tutty Vasques

08 Fevereiro 2009 | 11h01

ILUSTRAÇÃO POJUCAN

A popularidade de Lula junto a seu companheirinho Sérgio Cabral está chegando a um ponto que nem a opinião pública, apaixonada pelo homem do jeito que é, consegue acompanhar. Ninguém é capaz de gostar de alguém de maneira tão reiteradamente manifesta. Ainda mais na semana em que a aprovação ao presidente bateu os 84% na pesquisa CNT/Sensus, francamente, o governador não precisava exagerar nas gargalhadas (foto) que destoavam até da graça pretendida, e nem sempre alcançada pelo visitante ilustre.

O encontro entre os dois terça-feira no Rio foi mais um duro golpe na auto-estima do carioca pouco afeito a tietagens. Gente que vira a cara quando cruza com Chico Buarque no calçadão se viu ali representada por alguém com vocação de bobo da corte. Cabral vai acabar percebendo que não tem nada a ganhar com isso. O Lula também não!

Texto publicado no caderno Aliás desde domingo no ‘Estadão’.