O clássico de segunda

Tutty Vasques

28 Agosto 2012 | 00h01

Como qualquer domingo de Corinthians x São Paulo, Cruzeiro x Atlético Mineiro ou Grêmio x Internacional nos estádios de futebol, Joaquim Barbosa x Ricardo Lewandowski já virou um clássico das segundas-feiras no STF.

A torcida maior, como se sabe, paga pra ver a condenação dos réus do mensalão, mas o prazer de assistir a um ministro do Supremo – não importa em que time ele jogue – tomando um lençol, um elástico, uma caneta ou um drible da vaca não tem preço.

Melhor ainda quando, injuriado com a finta retórica de um, o outro se remexe na capa preta e ameaça reagir como um primeiro volante ofendido com as pedaladas de quem o ataca no campo das ideias.

Nem sempre, entretanto, a expectativa de show de bola jurídica ou de zorra total no tribunal resulta no confronto franco preconizado pela imprensa especializada neste complicado esporte da Justiça.

Ontem à tarde, por exemplo, perdeu seu tempo quem passou o fim de semana se poupando para assistir à réplica do relator e à tréplica revisor, anunciadas como preliminar trepidante da etapa de votação no julgamento. Não rolou!

Acontece! O Flamengo x Botafogo de véspera também foi uma pelada danada!