O Dunga do Obama

O Dunga do Obama

Tutty Vasques

24 de junho de 2010 | 06h41

reprodução

reprodução

O estilo é inconfundível! O palavreado de esquina, a ironia sem rodeios, o tom desafiador, o rancor na ponta da língua… Tudo nas declarações que derrubaram ontem o general Stanley McChrystal (foto), ex-comandante dos EUA no Afeganistão, confirma: Dunga está fazendo escola até no estado-maior das forças armadas americanas. O ex-chefe militar no front afegão só faltou dizer na reportagem da revista Rolling Stone que não tem homem na Casa Branca para discutir a guerra olhando-lhe na cara.

         McChrystal não revelou, a rigor, nada de importante e, também nisso, o Dunga do Obama foi fiel ao modelo original: mais grave que o dito é sempre a forma como a coisa é dita. “Você está perguntando sobre o vice-presidente Joe Biden? Quem é ele?” Dá até para imaginar aquele sorrisinho inconfundível, marca registrada do técnico, no canto da boca do general.

         É bem verdade que, em matéria de estilo, Dunga copiou primeiro o espírito guerreiro e o caráter patriótico de evidente inspiração militar. Por outro lado, comenta-se na caserna que, se McChrystal acompanhasse futebol, teria convocado Felipe Melo para reforçar a defesa aliada no Afeganistão. Não sei como reagiria a imprensa americana, a brasileira ia adorar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.