O novo astro da comédia em pé

O novo astro da comédia em pé

Tutty Vasques

29 de março de 2009 | 09h29

ILUSTRAÇÃO DE POJUCAN SOBRE FOTOS DE DIVULGAÇÃO

Os humoristas – ô, raça! – devem estar preocupadíssimos com a concorrência de Lula. Sério! Essa dos brancos irracionais de olhos azuis foi melhor ainda que aquela outra dos cabras machos que não pegam gripe. É preciso reconhecer: esta semana, o presidente esteve numa forma esplêndida. No gênero comédia em pé, francamente, não tem nada melhor na praça. O próprio primeiro-ministro Gordon Brown, que só deu três sorrisos na vida, teve que se segurar pra não rolar de rir num desses espetáculos que o chefe de estado brasileiro fez para recepcionar o colega britânico no Palácio da Alvorada. “Não conheço nenhum banqueiro negro ou índio.” Essa foi demais, né não? Por pouco não inventa uma nova casta, a dos “branqueiros”.

O homem manda uma atrás da outra, tudo de improviso. “Sou o único que já passou fome no G-20.” Foi engraçado até quando ralhou com a Polícia Federal: “Deixem que nós, políticos, aparecermos na TV.” É um brincalhão: “Nós queremos gastar dinheiro!” O problema é que a oposição leva tudo muito a sério. Coisa de probo!

Evidentemente que, optando pela veia cômica, o presidente corre sempre o risco de quebrar a cara. O humor, como se sabe, é um território livre que faz fronteira ora com a grosseria, ora com o preconceito. A graça está em se equilibrar nessa linha tênue que divide uma coisa das outras, sem nunca atravessar os limites da incorreção. Não é fácil! Todo gaiato, na tentativa de levar sua piada ao posto mais avançado da comicidade, já se esborrachou no lado politicamente incorreto da anedota.

Quando isso acontece, o riso dá lugar à indignação. E não só de quem se sente ofendido. É comum nessas ocasiões a platéia reagir com um certo sentimento de pena do protagonista da piada, por mais que ele mereça a zombaria. Agora mesmo, está todo mundo passando a mão na cabeça dessa “gente branca de olhos azuis” por conta do improviso estapafúrdio que Lula arriscou na última quinta-feira, em Brasília.

O presidente ainda não aprendeu que tem um certo tipo de brincadeira que a sociedade só permite que se faça com as louras, independentemente da cor dos olhos ou tom de pele. No mais, o homem está com a língua afiada para encarar numa boa qualquer um dos rapazes do CQC de Marcelo Tas.

Texto publicado no caderno Aliás deste domingo no ‘Estadão’

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: