O paliativo da camisa-de-força

Tutty Vasques

21 de agosto de 2010 | 06h27

Calma, gente! Cadeia para a opinião pública talvez não seja solução. Por mais que o resultado de algumas pesquisas justifique pedido de mandado de prisão para os entrevistados, não se deve generalizar esta compulsão da natureza humana em, sob consulta, se posicionar sempre do lado errado de qualquer discussão. A ponto de, se questionada sobre a solução para este seu problema, recomendar o próprio encarceramento.

Parece coisa de maluco e, por isso mesmo, talvez seja caso mais de acompanhamento psiquiátrico que de castigo. A opinião pública globalizada está precisando de tratamento! É isso, pelo menos, o que sugere o resultado das últimas pesquisas da CNN e do Pew Research Center sobre Barack Obama.

É o seguinte:

Um em cada cinco americanos está convencido de que o presidente dos EUA é muçulmano. Proporção que alcança um quarto dos entrevistados na enquete que contabilizou os americanos que não acreditam em hipótese alguma que Obama seja americano. Deve ter gente no meio-oeste, imagino, que já se pergunta se o homem é mesmo casado e se aquelas filhas são, de fato, dele.

Dá vontade de matar o semelhante que compromete desse jeito a inteligência da raça, mas, uma boa camisa-de-força, no caso, resolve.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.