O pior desterro

Tutty Vasques

05 Dezembro 2013 | 00h02

reproduçãoCom a hipótese de sua causa mortis por envenenamento sepultada dia desses na França, Yasser Arafat junta-se a Tim Maia e a Pablo Neruda no hall de celebridades que foram recentemente exumadas à toa. O cantor, como se sabe, não era pai da moça que pediu para desenterra-lo e o poeta chileno, ao contrário da teoria conspiratória sobre seu assassinato político, morreu mesmo de câncer em estado terminal!

E se a perícia que neste momento examina os despojos de João Goulart confirmar o ataque cardíaco diagnosticado em seu atestado de óbito sob suspeição, o ex-presidente vai em breve se juntar a esta turma no pior dos desterros. Os historiadores precisam reavaliar se vale a pena interromper o descanso eterno dos outros em busca de evidências que não têm colaborado em nada para o restabelecimento da verdade.

Mesmo no caso da exumação “esclarecedora” de D. Pedro I, convenhamos, a descoberta de quatro costelas fraturadas não justifica a bolinagem nos restos mortais de ninguém.