O pior dos fins do mundo

Tutty Vasques

12 de novembro de 2013 | 02h16

ilustração pOjucanOs economistas estão, decerto, frustrados! Por mais que trabalhem dia e noite em prol do fim do mundo, seus esforços parecem ridículos diante de fenômenos naturais perversos como esse supertufão – o maior da História – que passou pelas Filipinas.

Os políticos, acima até dos economistas, por mais que tentem no exercício do poder tornar a vida um tormento sobre a face da Terra, devem nessas horas se dar conta da função coadjuvante dos homens públicos nas grandes tragédias do planeta.

Os próprios ambientalistas admitem uma certa insignificância das mudanças climáticas em desastres do gênero. A insustentável leveza do aquecimento global no processo do fim do mundo é a derrota do preservacionismo.

O ser humano, de maneira geral, sente-se especialmente diminuído e impotente diante da devastação que lhe foge a responsabilidade. O tufão das Filipinas – a exemplo do tsunami do Japão e do terremoto do Haiti – é o pior dos fins do mundo. Que Deus nos proteja da natureza!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.