O prazer de fazer bonito!

Tutty Vasques

12 de agosto de 2010 | 06h24

reprodução

reprodução

O futebol-arte pode ter sido só o primeiro de uma série de resgates que o brasileiro gostaria um dia de colocar em prática. Imagina se, no embalo da nova Seleção, o País voltasse a fazer música como nos anos 60 ou a jogar tênis como nos tempos do Guga. Lembra do Karmann Ghia? E da Letícia Sabatella do início dos anos 90, hein? Claro que não vai dar pra trazer tudo de volta, mas também não custa nada aproveitar o vento a favor da ‘era Mano’ para listar o que mais a gente gostaria de resgatar. Sem comprometimento, viu, gente?!

         Vale tudo: tênis bamba, disco de vinil, fotos Polaroid, lança-perfume, mimeógrafo, Crush, Grapete, trema em tranquilo, caderninho de telefone, videocassete, acendedor de cigarro no painel do carro, tamagoshi, banda branca, Repórter Esso, Legião Urbana, mesa redonda Facit, Armação Ilimitada, vôo de Electra na Ponte Aérea, Steinhaeger, Free Jazz… Enfim, cada um que faça sua própria listinha!

         Em comum, todavia, a volta do futebol à Seleção pode ajudar todo brasileiro a recuperar, de imediato, o prazer de fazer bonito. Seja lá o que te espera quando você acabar de ler essa bobajada, “vai lá e faz bonito, garoto”! Mano Menezes não teve tempo para dizer nada muito diferente disso aos caras!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: