O punho do Pizzolato

Tutty Vasques

08 Fevereiro 2014 | 06h06

reproduçãoHenrique Pizzolato foi o primeiro filiado ao PT condenado pelo mensalão que não posou de punho cerrado nos jornais do dia seguinte à sua prisão. O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil não repetiu o gesto de Genoino, Dirceu, Delúbio & Cia muito provavelmente porque não havia plateia nem fotógrafos que justificassem o esforço de fazer sua vergonha transparecer heroísmo numa hora dessas.

Não sei se esqueceram de montar o circo ou se na Itália não tem ‘Jornal Nacional’, mas pelo menos até ontem não havia registros de imagens do ex-foragido da Interpol sendo detido em Maranello ou confinado na Casa Circondariale di Modena.

A gente só sabe que ele raspou o cavanhaque por causa do 3 x 4 de delegacia que a polícia italiana divulgou. Vai ver, no momento do fichamento, Pizzolato estava de braço erguido e punho cerrado fora do quadro da foto, mas foi de toda forma um alívio – dessa vez até para o pessoal do PT – não dar de cara com a cena nos jornais de ontem.