O sexo das bicicletas

Tutty Vasques

05 Maio 2012 | 06h01

ilustração pojucanSérgio Cabral deve estar adorando a discussão deflagrada no Rio sobre o sexo das bicicletas elétricas depois que a Operação Lei Seca multou o condutor de uma delas em R$ 1.700,00 por circular sem habilitação e se recusar a fazer o teste do bafômetro.

Como tudo nesse debate é quase tão patético quanto o bunga-bunga família que o governador comandava em suas viagens oficiais à Europa, fica a impressão de que o carioca é ridículo de uma forma geral, nada que incrimine Cabral em particular.

Discute-se no calçadão se ciclista movido a eletricidade pode misturar álcool e guidom. É possível ser multado na tal bicicleta e perder pontos na carteira de motorista de automóvel? Bicicletas elétricas são motos ou bikes? Podem circular em ciclovias?

Coisas que ninguém havia pensado antes por absoluta irrelevância do problema estão na primeira página dos jornais do balneário, tomando espaço da cobertura da farra de Paris, também conhecida como Cabral+20.

O hábito de perder tempo com assuntos inúteis não é novo. Vem de Constantinopla, onde se discutia o sexo dos anjos em debates teológicos enquanto lá fora o império fervia.

No Rio, os anjos deram lugar às bicicletas elétricas.