O sol da meia-noite

Tutty Vasques

27 de dezembro de 2008 | 10h58

O brasileiro não acredita muito em previsões, ainda mais quando elas não são lá muito boas para ninguém. Da mesma forma que chamou de marolinha o tsunami que varreu o mundo financeiro em 2008, não será agora, por conta dos avisos da Meteorologia, que vai mudar seus planos de passar o réveillon na praia. Mais que a virada do ano, acalenta-se a virada do tempo nos próximos dias.

O próprio Lula, otimista como ele só, deve estar achando que vai fazer sol à meia-noite do dia 31. O presidente não diria “sifu” pra quem neste momento desce a serra para romper o mau tempo estacionado em quase todo o litoral do País.

Não é só uma questão de fé: o Brasil é mesmo um país imprevisível, capaz de contrariar qualquer expectativa. Quer ver só? Onde mais a lei seca aumentaria o número de acidentes nas estradas e o sistema de cotas raciais não alteraria o número de estudantes negros nas universidades? Daí a começar 2009 sob céu de brigadeiro… Não esqueça o protetor solar!

texto publicado no caderno Metrópole/Cidades deste sábado, no ‘Estadão’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: