O Sol por testemunha

Tutty Vasques

24 de fevereiro de 2011 | 06h20

gaserwQue ninguém se iluda com a ira dos ditadores, os temporais e os terremotos trombeteados pelo noticiário local e internacional: o fim do mundo em ebulição nas páginas de Ciência é muito mais arrepiante. O Sol, como você já deve ter ouvido falar, acordou na semana passada num mau humor de rachar. Não se sabe se foi um desses pesadelos de ambientalista com o planeta Terra, o fato é que as explosões matinais do astro rei provocaram uma espécie de tsunami de raios-x contra a atmosfera que nos envolve.

Quando chegou ao sul da China atrapalhando transmissões de rádio, a emissão eletromagnética era só uma marolinha de advertência: o dia que o Sol cismar, quem sobreviver às suas chamas vai ficar sem energia elétrica, telefone, Internet ou qualquer outra forma de comunicação dependente de satélites.

A boa notícia é que esse gênero de apocalipse já está previsto no filme ‘Presságio’, com Nicolas Cage, e o cinema, como se sabe, jamais acertou um prognóstico acerca do fim do mundo. Pelo sim, pelo não, não custa nada dar uma reforçada no filtro solar das crianças.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.