O sushi é inocente!

Tutty Vasques

28 Maio 2013 | 00h02

reproduçãoDeus me livre de estar no lugar do poeta, letrista, filósofo, escritor e gente boa Francisco Bosco na madrugada de domingo. Nada contra jantar fora com Eduardo Paes e alguns poucos amigos do prefeito do Rio. Esta foi, decerto, a melhor parte da noite de boa comida japonesa e papos até que bem razoáveis para a média intelectual dos homens públicos no Brasil.

A sobremesa é que foi de amargar! Surpreendido pela aproximação do músico e escritor Bernardo Botikay – seu velho conhecido –, Bosco bem que tentou fazê-lo “parar com aquilo” de chamar o prefeito de “bosta” e “vagabundo” em público, sem imaginar que sua perplexidade seria ainda agravada pelo soco desferido por Eduardo Paes na cara do rapaz que o ofendia.

Entre a falta de juízo e a de razão, Francisco Bosco deixou o episódio como testemunha de investigação policial e vítima da maledicência de quem o situou na briga do lado do poder.

Por essas e por outras, tem intelectual por aí que não sai mais de casa nem para jantar fora!