O vírus da pouca-vergonha

Tutty Vasques

13 Setembro 2013 | 00h01

reproduçãoEntre as vantagens que aprendeu a obter espionando o Brasil, Barack Obama deve estar se contendo para não comprar logo de uma vez o apoio do Congresso americano à intervenção militar na Síria. O presidente decerto conhece o esquema do mensalão – “mensalal” na pronúncia inglesa – como a palma da mão!

O risco de contágio aumenta se considerarmos que, a essa altura dos acontecimentos, informações ‘top secret’ dos bastidores da política de Brasília podem ter vazado na chamada ‘câmara baixa’, cujo nome já diz tudo. Periga já ter deputado da Flórida alugando automóvel em padaria de Washington!

Capaz de dar no ‘New York Times’ que o presidente do Senado andou pegando jatinho da Força Aérea Americana para assistir a jogos da NBA em Miami ou San Antonio.

Dizem que esse troço pega em quem entrar em contato com as entranhas da bandalheira, mas às vezes a tradução é anticorpo. Ainda não está claro para os americanos, por exemplo, o que são embargos “infringentes”.