Opinião própria

Tutty Vasques

31 de outubro de 2009 | 09h29

A culpa, pra variar, é da opinião pública – ô, raça! -, que não se dá o mínimo respeito. Depois que os políticos perderam a vergonha de dizer na lata que não estão nem aí para o senso comum da sociedade civil – e ficou por isso mesmo! -, o papel do chamado “formador de opinião” perdeu inteiramente a razão de ser. Pra quê qualificar uns e outros pela capacidade de formar uma coisa que não vale nada?

É neste sentido que se deve entender a última polêmica em torno das declarações do presidente Lula. “O formador de opinião”, de fato, “não decide mais” patavina por aqui. Nada contra o formador propriamente dito, o problema do brasileiro é com a opinião dos outros. O que vale agora é a opinião própria, cada um com a sua, sem qualquer respeito pelas demais. Ou não, né?! Seja como for, promete pra mim que não perderá 1 minuto sequer do feriadão pensando nisso, vai! Relaxa, rapaz! Ninguém precisa ter opinião a respeito.

Texto publicado no caderno Cidades/Metrópole deste sábado no ‘Estadão’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.