País sem memória

País sem memória

Tutty Vasques

19 de setembro de 2007 | 11h04

ilustração pojucan

Se a última palavra sobre a extradição de Salvatore Cacciola será do príncipe Albert, de Mônaco, o governo deveria mandar a Monte Carlo, no lugar do ministro Tarso Genro, a porta-bandeira carioca Selminha Sorriso.

Afinal, eles foram praticamente noivos há uns anos atrás.

Será que ninguém em Brasília se lembra disso, caramba?!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.