Papai Noel: quero um táxi!

Tutty Vasques

22 de dezembro de 2010 | 06h43

gfjdNessas horas é que a gente vê como é importante escolher uma pessoa que não bebe pra casar. Não fosse a abstinência dela ao volante, como é que você sairia da casa da sogra depois da ceia de Natal? A Lei Seca no trânsito não prevê alternativas para o drama de quem não encontrou alguém assim para guiá-lo nas festas de fim de ano.

Nem no Carnaval é tão difícil arrumar um táxi quanto na madrugada do dia 24 para o dia 25 de dezembro. Não à toa, Papai Noel prefere pilotar seu próprio trenó. Não faz ideia do que seja passar a noite inteira com a própria família, sem beber uma taça de vinho com medo da blitz na volta pra casa!

Pior, só o desespero de tentar capturar um táxi pelo telefone depois de encher o pote. Tem vezes que a ressaca chega antes do resgate motorizado. Você liga para meia dúzia de cooperativas e espera, em média, 3 horas pelo serviço.

Para não acabar dormindo no sofá da sala, recomenda-se reservar uma suíte naquele hotelzinho próximo à casa da sogra. Vamos lá, gaste um pouquinho mais com hospedagem, mas ajude a salvar seu Natal dos aborrecimentos de ocasião!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.