Papo furado

Tutty Vasques

14 de maio de 2011 | 06h55

affgasgPensa aí numa discussão bacana! Uma polêmica, um absurdo, uma injustiça, um avanço social, um reconhecimento, um sonho, uma necessidade, um troço engraçado, uma providência, um prazer, sei lá, qualquer assunto que te pareça relevante ou instigante, se levado ao Congresso Nacional, vira uma chatice inominável. Os caras sabem como estragar um bom debate!

Periga ser uma tática política! Tornar aborrecido ou desagradável algo que lhe interesse seria, no caso, o primeiro passo para desviar sua atenção enquanto eles aproveitam o assunto para o quebra-pau de sempre. O debate sobre o novo Código Florestal não tem, rigorosamente, nada a ver com o meio ambiente. Se estivessem discutindo a criminalização da homofobia, o uso da burca ou a eliminação do São Paulo na Copa do Brasil, a baixaria seria a mesma.

Seja qual for o debate em curso, os argumentos de lado a lado servem apenas de pretexto para a briga de gangues que se trava no Congresso. Não necessariamente entre governo e oposição, parece que toda essa confusão em torno do Código Florestal tem origem numa rebelião da base aliada. Tadinha das árvores, né?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: