Por um fim do mundo sustentável!

Tutty Vasques

31 de julho de 2010 | 08h34

ILUSTRAÇÃO POJUCAN

ILUSTRAÇÃO POJUCAN

Ninguém levou muito a sério quando, há cerca de 3 anos, as revistas de celebridades começaram a anunciar os planos de Tom Cruise para proteger sua família de ataques alienígenas.

O astro de cinema estaria construindo um abrigo subterrâneo de US$ 10 milhões no subsolo de sua mansão no Colorado. Pareceu na época coisa de milionário excêntrico, mas acho agora que nascia ali a ideia de dar sustentabilidade à vida após o fim do mundo.

         Aquecimento global, terrorismo bacteriológico, tormenta solar, cometa desgovernado, acidente nuclear, erupções vulcânicas, inundações ou terremotos, seja qual for a sua paranóia com o futuro, calma! Os americanos estão transformando tudo isso em oportunidade de negócio.

Deu esta semana no site do US Today: “A construção de abrigos subterrâneos está na moda nos EUA”.  Alguns com capacidade para receber, na eventualidade do fim do mundo, até 10 mil pessoas durante 5 anos.

Na Califórnia, uma vaga de sobrevivente custa US$ 50 mil. Crianças pagam meia. E pensar que aqui no Brasil a gente está preocupado em construir estádios para a Copa de 2014. Como se fosse haver 2013!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.