Por uma UPP virtual!

Tutty Vasques

18 de setembro de 2010 | 06h36

ilustração pojucan

ilustração pojucan

O caso do sequestrador que a polícia seguiu no Orkut e capturou em São Vicente, na Baixada Santista, não tem nenhuma ligação coordenada com a Operação Hooligans, responsável pela detenção no Rio de membros de torcidas organizadas que agendavam brigas em locais públicos através do mesmo site de relacionamento. As ações ocorreram simultaneamente por mera coincidência, mas se as autoridades sistematizarem as buscas de pistas nessas redes sociais, a Internet pode voltar a ser um lugar seguro para se navegar.

         Sem querer dar ideia de blitz da Lei Seca no Twitter ou no Facebook, é hora de se pensar na criação de uma Unidade de Polícia Pacificadora virtual para expulsar maus elementos das comunidades do território livre da rede de computadores. Está quase tudo dominado por gente que você decerto atravessaria a rua para não cruzar no mundo real das calçadas.

         Sem querer, tampouco, dar ideia de quebra de sigilo virtual de uns e outros, há casos que justificam o flagrante de privacidade. Do jeito que está, a blogosfera não é lugar para iniciantes. Tem horas que dá até medo circular por lá. O jornal impresso é, sob esse aspecto, muito mais seguro, tanto para quem escreve, quanto para quem lê.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: