Porque hoje é sábado

Tutty Vasques

22 Agosto 2009 | 09h30

Para que ninguém passe este fim de semana embaixo do cobertor, deprimido, pensando que o fim do mundo político é exclusividade de Brasília, o Senado da Argentina aprovou anteontem a prorrogação por um ano dos superpoderes que concedem a Cristina Kirchner a faculdade de continuar governando sem dar a mínima para o Congresso.

Vista grossa maior fizeram dia desses na Colômbia os 56 senadores que deixaram passar batido o projeto de lei de consulta popular sobre a eventualidade de um terceiro mandato para o presidente Alvaro Uribe. O Lula, pelo menos, nem sonha com essa possibilidade!

Por fim, para que não pese sobre as patacoadas políticas nacionais e estrangeiras a pecha da tradição continental, lembro que na França de Carla Bruni uma cadeia de supermercados acaba de admitir que contratou figurantes para aplaudirem um ministro em visita a certa loja da rede. Imagina se é o Abílio Diniz pagando claque para a Dilma Roussef! Ou melhor, não imagina nada, não. Vai dar uma volta, vai! Hoje é sábado!

Texto publicado no caderno Cidades/Metrópole deste sábado no ‘Estadão’.