Pré-sal pirata

Pré-sal pirata

Tutty Vasques

02 de setembro de 2009 | 16h38

reprodução

Já tem camelô vendendo pós-sal comestível no comércio de calçada dos estados produtores (SP, RJ e ES).

O pré-sal grosso, para churrasco e banhos de descarrego, é mais caro que o refinado de mesa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.