Presidente por acaso

Presidente por acaso

Tutty Vasques

08 de março de 2009 | 10h39

ILUSTRAÇÃO POJUCAN

Se fosse estratégia de marketing, seria coisa de gênio da propaganda política: a maneira cafajeste como o PMDB vem dando visibilidade à dignidade e ao espírito público do senador Jarbas Vasconcelos, francamente, nem quando lançou Ulysses Guimarães à Presidência da República o partido foi tão convincente na forma de apresentação de um correligionário à Nação. Ainda que não haja qualquer intenção premeditada nesse sentido, nunca é tarde para o PMDB mudar da água pro vinho – e vice-versa.

A inclusão do nome de Jarbas Vasconcelos em pesquisa sobre a sucessão de Lula seria um primeiro passo para realinhar a sigla com a possibilidade de candidatura própria em 2010. Se for para ganhar, como se sabe, tem jogo e, convenhamos, o senador pernambucano deve ter lá uma certa dívida de gratidão com o partido, no mínimo pela projeção que vem dando à sua decência no cenário da política nacional. Se as eleições fossem hoje, não sei não, viu! Parece que o José Serra já anda preocupado com essa história.

Texto publicano no caderno Aliás deste domingo no ‘Estadão’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.