Que mistério tem Clarice?

Tutty Vasques

12 de maio de 2012 | 06h55

reproduçãoLuis Fernando Verissimo devia ter esperado um momento de triunfo colorado para só então confidenciar a seus leitores uma dessas superstições estranhíssimas que todo torcedor doente manifesta – “Não me pergunte por quê”! –, ainda que de maneira inconsciente.

No jornal de quinta-feira, o mestre contou de bate-pronto que a flâmula do Internacional que pende da estante de seu escritório está presa à prateleira pelos livros de Clarice Lispector. Eis o mistério da fé!

Faz parte da liturgia da crônica, mas o problema no caso específico foi o timing da revelação. Redigida na véspera da eliminação do time gaúcho na Libertadores, deixou no ar uma dúvida cruel sobre o peso da obra literária em questão na derrota para o Fluminense nas oitavas-de-final da competição.

Se eu fosse o Verissimo – e todos os dias me pergunto por que não dei a sorte de sê-lo! –, voltaria ao assunto na próxima oportunidade para tentar explicar à nação colorada que a autora mais célebre do Brasil não é esse pé-frio todo que estão imaginando.

Humorista não acredita em bruxas, mas também não custa nada trocar a flâmula de lugar na estante. Quem sabe Paulo Coelho não dá mais sorte, né não?!