Que tudo mais vá pra primavera!

Tutty Vasques

21 Setembro 2013 | 06h28

reproduçãoAfora os ataques de nervos do mercado financeiro – notícia enguiçada de uma estação que começou com o dólar a R$ 2,245 e termina amanhã com a moeda americana cotada a R$ 2,21 –, o brasileiro não pode se queixar de falta de assunto no inverno de 2013.

Não bastasse ter nevado simultaneamente em mais de 100 lugares diferentes, foi um inverno com 3.353 protestos de rua, uma visita de papa, dois réveillons em Copacabana, um passeio de moto da presidente Dilma em Brasília, um Rock in Rio, mais um recall de ketchup, outro de absorvente higiênico e sei lá quantas cirurgias de próstatas em mulheres realizadas pelo SUS.

Não à toa o gigante acordou! Vai dormir com o barulho do julgamento do mensalão, da espionagem do Obama, do desvio de verbas no metrô de São Paulo, da conquista da Copa das Confederações, das acaloradas discussões sobre direito autoral na casa da Paula Lavigne, do mico de Anderson Silva no octógono, dos voos da alegria em jatinhos da FAB, do sucesso do ‘Porta dos Fundos’, do selinho do Sheik, do “soft power” da Marta Suplicy…

Foi o inverno em que Eike Batista deixou de ser bilionário e Marcelo Adnet, engraçado. Neymar operou as amígdalas, José Serra colocou ‘stent’, Ronaldinho Gaúcho foi ao dentista e Chiquinho Scarpa ressuscitou, diga-se de passagem que sem a ajuda dos médicos cubanos recém-chegados ao País.

Foi o inverno da Mídia Ninja, do Amarildo, do coletivo Fora do Eixo, do Capilé, do nu frontal da atriz Nanda Costa nas páginas da ‘Playboy’ e do goleiro Diego Cavalieri no instagram do Hulk.

Foi o inverno em que Abílio Diniz deixou o Pão de Açúcar, Felipe Massa a Ferrari, Bell Marques a banda Chiclete com Banana e Wagner Canhedo a cadeia. Saíram do noticiário a cachirola do Carlinhos Brown, a cura gay do Marco Feliciano e o plebiscito da Dilma para a reforma eleitoral.

Foi o inverno de Félix, a bicha má da novela das 9, e de Esquerdinha, o massagista que, por amor à camisa, entrou em campo para evitar o gol que eliminaria seu time, o Aparecidense, da série D do Brasileirão.

Num segundo plano, vale destacar a desfaçatez de Sérgio Cabral no chamado “voo das babás”, farra de helicópteros que o governador promovia nos fins de semana em família, e a cara de pau do sujeito que tentou pagar uma prostituta na Bahia com cartão do Bolsa Família.

Enfim, tirando uma coisinha ou outra, convenhamos, foi um inverno padrão Fifa! Dificilmente a primavera, que começa oficialmente na segunda-feira com o casamento do funkeiro Naldo com a Mulher Moranguinho, conseguirá manter tal nível de acontecimentos!