Quem poderia supor que…

Tutty Vasques

06 de agosto de 2010 | 06h44

ilustração pojucan

ilustração pojucan

De perto, todo mundo é suposto. Tudo é suposto! – a gente aprende na leitura dos jornais. Agora mesmo, li sobre a suposta separação de Barack e Michelle Obama; o suposto envolvimento de Naomi Campbell com o genocida Charles Taylor; o suposto fim do vazamento de óleo no Golfo do México; o suposto atentado contra Ahmadinejad; o suposto desaparecimento da taça das bolinhas; o suposto erro na escala de tripulantes da Gol; a suposta falha no sistema do Inep; o suposto dossiê sobre o suposto tráfico de influência da filha do Mantega; os supostos planos de Ronaldo para ser ministro dos Esportes em 2014…

Somos todos, até segunda ordem, igualmente supostos de alguma coisa, mas a maneira particular como o ser humano se comporta nesta situação define um pouco o caráter de cada um. Às vezes de maneira reveladora, como tem sido observar o vice-presidente José Alencar tratando o caso da suposta filha que lhe cobra um exame de DNA na Justiça.

Dá para acreditar que o Zé, como é carinhosamente chamado pelo chefe, foi ao programa do Jô insinuar que a moça – hoje já uma senhora – seria fruto de uma suposta noitada na “zona” de Caratinga-MG?! Francamente, há maneiras supostamente mais delicadas de se xingar a mãe dos outros. Ainda mais a de uma suposta filha!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.