Retrospectivas não autorizadas

Tutty Vasques

26 Dezembro 2013 | 06h31

reproduçãoRetrospectiva de fim de ano é uma espécie de biografia não autorizada de um tempo! Se dependesse da vontade de 2013 sair bem na foto, sua história agora passada a limpo pela imprensa não registraria, entre outros desastres, o incêndio da boate Kiss, o desaparecimento do Amarildo, o PIB negativo e o final melancólico do Brasileirão no STJD.

Ano nenhum gostaria de ser lembrado como hospedeiro do debate que levou Caetano, Gil e Chico à defesa da censura prévia de obras biográficas. Eike Batista e Marco Feliciano não seriam personagens lamentáveis de 2013 se o ano tivesse opção de escolha.

Retrospectivas de ano, cá pra nós, são todas iguais: um apanhado de más notícias, mortes, desgraças, e lambanças entremeadas com frases infelizes, três ou quatro momentos de ternura do ser humano, dois milagres, meia dúzia de gols geniais, e olhe lá. A de 2013 não é especialmente assustadora. De perto, ano nenhum é normal! Depois a gente esquece!