Salvem a corrupção!

Tutty Vasques

12 de dezembro de 2009 | 09h28

ilustração pojucan

ilustração pojucan

O conceito de sustentabilidade criado para salvar o planeta é uma estratégia racional de sobrevivência aplicável, muito além das florestas, a qualquer situação ou circunstância de vida que se queira preservar. Todo mundo já entendeu que, de maneira geral, nada é pra sempre se alguém não cuidar de tudo. Agora mesmo, em Brasília, corre à boca pequena a necessidade de se criar uma corrupção sustentável no País. Do jeito que está, francamente, é o fim do mundo. Não há esquema de propina que resista às imagens devastadoras da roubalheira na TV.

Ou se faz um corte radical na emissão de provas para os telejornais ou a ganância vai acabar se voltando contra quem depende dela para viver. Por mais que a indústria de caras-de-pau tenha se aprimorado nas últimas décadas, expressões de indignação como aquela que o Arruda calçou para anunciar sua desfiliação partidária não convencem mais ninguém. Teve corrupto que ficou envergonhado, daí essas articulações todas em torno da sustentabilidade da pouca-vergonha.

Texto publicado no caderno Metrópole deste sábado no Estadão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.