Salvem o rádio AM!

Tutty Vasques

09 de novembro de 2013 | 06h25

reproduçãoCorre na Internet convocação de protestos em todo o País contra o decreto da presidente Dilma que abre a porteira da migração das emissoras de rádio AM para FM: “Como se já não bastasse terem acabado com o chiado do vinil na passagem para o CD!” – diz o manifesto.

Exageros à parte, não seria de todo absurdo imaginar que, no futuro, o sinal radiofônico mais sujeito a interferências e sintonia suja será tão cultuado quanto hoje são os long-plays nas eletrolas de uma certa turma de gente moderna. Um dia, aposto, o ex-titã Charles Gavin terá um programa de música reproduzida em vinil numa rara estação AM em atividade.

Para matar saudades de um tempo em que os ruídos na comunicação eram literais, o povo sairá às ruas contra a transparência do som! “A voz das ruas tem sonoridade AM!” – comenta-se nas redes sociais. Chiadeira, ensina o Houaiss, significa “reclamação, queixa reiterada”, além de “ruído estridente’.

Cá pra nós, as transmissões em frequência AM são ruins, mas nem tanto quanto as da Mídia Ninja, né não?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.