Sapatada na guerra

Sapatada na guerra

Tutty Vasques

30 de dezembro de 2008 | 12h58

ILUSTRAÇÃO POJUCAN

Porta-voz entusiasmada da turnê mundial do fim do mundo neste finalzinho de ano, a chanceler israelense Tzipi Livni é séria candidata a disputar com George Bush o centro das atenções da sapatada mais bem dada de 2008. Depois de considerar como “um sucesso” o que está acontecendo na Faixa de Gaza, francamente, ela merece!

Tzipi luta contra o tempo para se igualar a Bush antes da virada de 2009, mas pode ser beneficiada justo pela posteridade do caso de seu oponente. Marcado para amanhã, em Bagdá, o julgamento do jornalista iraquiano que quase acertou o presidente americano na mosca tem tudo para reacender no ser humano a firme disposição de dar uma sapatada na guerra, seja ela lá qual for.

Vale, entretanto, advertir a quem desceu para a praia e não sabe direito como aderir ao movimento: jogar sapatos no mar à meia-noite do dia 31 para despachar 2008 não é atitude ecologicamente correta, nem muito gentil com Iemanjá.

texto publicado no caderno Metrópole/Cidades desta terça-feira, no ‘Estadão’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: