Sarney: “A crise são os outros!”

Sarney: “A crise são os outros!”

Tutty Vasques

21 de junho de 2009 | 09h42

ILUSTRAÇÃO POJUCAN

Eduardo Suplicy: V.Exa. um aparte?
José Sarney: Muito obrigado!

Não sei se vocês repararam no finalzinho (acima destacado) do já célebre último discurso de José Sarney, mas a conversa de doido que há meses se insinua no Congresso poderia ter atingido ali um momento de clímax não fosse o probleminha de audição – ou de atenção – do presidente do Senado. Em vez de conceder a palavra requerida em caráter solidário, Sarney deu as costas ao pedido de pitaco do nobre colega, cruzou os microfones na tribuna e saiu falando sozinho pelo plenário.

A história agora talvez fosse outra se um hipotético aparte concedido ao experiente Suplicy ajudasse o aliado maranhense a desenvolver melhor essa retórica de hospício que ensaiou em frases como “essa crise não é minha” ou “eu não sei o que é ato secreto, ninguém aqui sabe o que é ato secreto”. Seu discurso lembrava um pouco o de Tarso, o jovem esquizofrênico de ‘Caminho das Índias’. Não vem ao caso aqui discutir se José Sarney está gagá, lelé ou tantã, mas não se deve, a exemplo da trama da novela das oito, ignorar a maluquice do personagem.

Suplicy não teve chance de dizer que entendia os pensamentos confusos de seu companheiro de base aliada do governo, mas é fundamental que algum familiar – de preferência alguém que não trabalhe no Senado – perceba que o ente querido está variando. O que não é nenhuma vergonha para a biografia de ninguém. Muito pelo contrário, interditar o velho à esta altura do campeonato pode absolvê-lo de tudo o mais que sugere seu impeachment político.

Ainda que alguma dúvida no diagnóstico psicológico do senador tenha sobrevivido ao vazio dos argumentos que apresentou em defesa própria na última terça-feira, depois que ele chamou o Romeu Tuma de Nicolau, francamente, melhor insistir no ponto crucial levantado por Eduardo Suplicy:

“V.Exa. um aparte?”

Ele vai nos agradecer por isso pelo resto da vida.

Texto publicado na coluna ‘Ambulatório da Notícia’ publicada neste domingo no caderno Aliás do ‘Estadão’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.