Saudades da firma!

Tutty Vasques

25 Setembro 2010 | 06h33

rjNinguém, em sã consciência, sente saudades dos engarrafamentos ou daquele colega desagradável do antigo emprego depois que conquista a prerrogativa de trabalhar em casa. Parece um sonho nunca mais se amolar com metrô, chuva de granizo, poluição, motorista de táxi, flanelinhas, malabaristas de sinal, trombadinhas, elevador cheio, chefe vigilante, motoqueiros, comida a quilo, barba bem feita, cocô de cachorro na calçada, cinto combinando com sapato…

         As coisas melhoram de tal forma na vida de quem, morando numa grande cidade, não precisa mais enfrentá-la todo dia para viver, que o felizardo acaba ficando inteiramente deslocado em sua própria casa. Três anos longe dos aborrecimentos em que as pessoas se encontram deixam qualquer um meio por fora, sem assunto até para puxar conversa.

         Nada acontece de repente! Primeiro, o cara para de compartilhar as neuras e o stress naturais de sua geração. Depois, praticamente elimina o acaso e qualquer possibilidade de uma boa conversa jogada fora pra quebrar a rotina. Quando, enfim, se dá conta de que não tomou banho ontem, aí já era! O próximo passo será sentir saudades da firma.