Será que o Dunga tinha razão?

Tutty Vasques

11 de maio de 2011 | 02h44

Ronaldinho Gaúcho tem hoje à noite, no Ceará, a chance de mostrar que não estavam totalmente loucos os que chamaram Dunga de burro por não leva-lo à África do Sul. Só uma exibição daquelas que dele se espera desde que chegou ao Flamengo poderá livrar a crônica esportiva – e outros gaiatos – do castigo do reconhecimento: “O Dunga tinha razão!” – terão que escrever 100 vezes nos jornais.

Pior ainda: alguém precisará explicar que diabos aconteceu com o futebol de Ronaldinho Gaúcho! O caso dele não é como o do Fenômeno, que estava gordo, do Imperador, que vive enrolado, ou do Fabuloso, que já chegou machucado. O cara tá fininho, cheio de vontade de treinar, longe de confusões, feliz no clube, solteiro no Rio de Janeiro e, no entanto, com a bola não rola – todo rubro-negro sabe disso.

Será que futebol é um troço que você desaprende? Prefiro acreditar que hoje ele vai calar o torcedor que começou a vaiá-lo na derrota para o Ceará, no Engenhão, jogo de ida pela Copa do Brasil. Três lances geniais talvez bastem! Ou vai ser muito duro passar o Campeonato Brasileiro lembrando que o Dunga tinha razão; o Dunga tinha razão; o Dunga tinha razão…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: