Tem mais que xingar!

Tutty Vasques

26 de junho de 2010 | 00h12

ilustração pojucan

ilustração pojucan

Dessa vez, Dunga não tem nada que pedir desculpas a ninguém. Qualquer um, no lugar dele, já há quase 48 horas sem falar palavrão, perderia as estribeiras no jogo contra Portugal, se pudesse se fazer ouvir pelos jogadores dentro de campo no belo estádio de Durban. Uma seleção com Felipe Melo, Júlio Baptista, Gilberto Silva e Michel Bastos, francamente, tira qualquer um do sério.

Atire a primeira pedra quem não disse nome feio a cada botinada ou passe errado de uns e outros, indistintamente. Éramos 190 milhões de brasileiros fazendo coro com o técnico, aos berros, quando entrou Josué no lugar de Felipe Melo. Aí deu vontade de chorar! Foi bom que acalmou o pessoal até mais ou menos os 10 minutos do segundo tempo, quando Dunga voltou a animar a torcida com sua impaciência corporal contagiante.

No final, estávamos todos deprimidos com o espetáculo, mas com a consciência do dever cumprido: o Brasil classificou-se em primeiro do grupo, garantindo o feriadão de segunda-feira, quando a seleção volta a campo. Se precisar xingar esse time de novo na fase do mata-mata, Dunga sabe que pode contar com o torcedor. Quem leva desaforo pra casa é jornalista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.