Ti-ti-ti diplomático

Tutty Vasques

01 de dezembro de 2010 | 06h43

fgagO vazamento de documentos secretos que abalou a diplomacia americana acendeu uma luz amarela no Itamaraty. Imagina se, amanhã, o WikiLeaks – site que está acabando com os segredos de estado nos EUA – quebra o sigilo das indiscrições que Lula e Marco Aurélio Garcia trocam entre si quando visitam chefes de estado mundo afora.

Os americanos, pelo menos, se comunicam por códigos quando querem falar da vida alheia dos poderosos. Por exemplo: quando os telegramas diplomáticos de Washington comparam os russos Putin e Medvedev a Batman e Robin, querem dizer, na verdade, “isso é uma tremenda bichona”!

Não há, decerto, registro do que Lula e seu fiel assessor para assuntos internacionais comentaram, em mais de uma ocasião, sobre a “voluptuosa enfermeira loura” que, segundo os espiões americanos, não desgruda do Kadafi.

Todo mundo acha a Cristina Kirchner meio maluquinha e o Berlusconi, um depravado de marca maior, mas só os diplomatas americanos afirmam essas coisas por escrito. Se eu disser aqui que o Marco Aurélio Garcia chama a Angela Merkel, pelas costas, de “canhão”, ele vai negar e eu não vou ter como provar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: