Trabuco: um tiro pela culatra!

Trabuco: um tiro pela culatra!

Tutty Vasques

22 de novembro de 2014 | 00h02

Tutty.blog.revolverA se lamentar, de cara, na recusa de Luiz Carlos Trabuco ao convite para o Ministério da Fazenda o fato de que o povão, mesmo sem saber bulhufas sobre a competência do presidente do Bradesco ou sequer ligar o nome à pessoa, é de alguma forma simpático à escolha de seu sobrenome para acabar com a farra financeira no País.

 

Trabuco, convenhamos, é sugestivo para os tempos que vivemos! “É disso que a presidente Dilma está precisando”, comentava-se nos pontos de ônibus quando sua indicação surgiu no noticiário para a vaga de Guido Mantega no governo. Houve até quem associasse, meio sem pensar muito no que estava dizendo, o crescimento do País às medidas do Trabuco.

 

Para os fechadores de primeira página dos jornais, sua relutância em aceitar o cargo foi uma lástima. Imagina as manchetes que o ex-futuro ministro não daria: ‘Trabuco atinge a meta’; ‘Trabuco da tiro no pé’; “Trabuco falha contra inflação”; “Trabuco se volta contra Dilma”… Ia ser divertido.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.