Trailer do fim do mundo

Tutty Vasques

31 Outubro 2012 | 06h44

reproduçãoPodia ter sido pior se o furacão não virasse tempestade antes de chegar a Nova York, mas do jeito que foi já deu para perceber que a televisão não está preparada para a grande cobertura do fim do mundo.

Quando enfim chegar nossa hora, ainda que a luz por aqui custe um pouco mais a se apagar, não vai dar para assistir pela CNN à aproximação da grande onda do mar ou de radiação solar típicas do apocalipse no cinema.

As emissoras de TV não estão aparelhadas para o apagão final! O máximo que vai dar pra ver será o último repórter de capa e galocha nas ruas, com água pelos joelhos, iluminado pelo farol do próprio carro, sendo soprado de repente pra fora da imagem! Vupt!

Depois disso, vai depender muito da carga acumulada no celular e no iPad de cada correspondente que conseguir chegar em casa com vento a favor!

O que mais me deixou apavorado no trailer produzido na madrugada de ontem em Nova York foi a ideia de um dia testemunhar o fim de tudo pela imagem fantasmagórica do jornalista Jorge Pontual dizendo que nunca viu nada igual na vida!

Tomara que eu já esteja dormindo quando entrar no ar o ‘Jornal Nacional’ em edição extraordinária.