Tudo tem limite

Tutty Vasques

16 de julho de 2008 | 12h28

Já há no 4º. Congresso Brasileiro de Publicidade quem defenda a proibição do insuportável anúncio de Energil C na TV (aquele do professor que toca violão e canta em sala de aula).

A liberdade de expressão, como se sabe, faz fronteira com a chatice e, nesse caso, é preciso admitir que todos os limites foram ultrapassados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.