Um ego por outro

Tutty Vasques

06 Agosto 2011 | 06h12

reproduçãoTamanho não é documento! Vinte e tantos centímetros mais baixo que seu antecessor no Ministério da Defesa, Celso Amorim não fica nada a dever a Nelson Jobim em matéria de ego imensurável. Nesse aspecto, aliás, o ex-chanceler dará decerto continuidade à obra do ex-ministro que não cabe em si.

Jobim e Amorim são de uma cepa de ministros movidos a vaidade do cargo. Eles podiam estar roubando, mas se dão por satisfeitos com os holofotes, as primeiras páginas, a bajulação, a solenidade, a liturgia, enfim, do posto. O Márcio Thomaz Bastos – lembra dele? -, ex-ministro da Justiça de Lula, também jogava nesse time.

É gente que estudou, sabe falar, não chegou lá pelo sistema de cotas dos partidos. Entrou nessa roubada atraída pela luz do poder, precisa deste palco para se exibir intelectualmente.

Sabe Deus como foram os últimos meses na vida de Celso Amorim longe da cena pública! A julgar pela festa que a família fez ao saber que ele estava voltando para o governo, foram tempos difíceis para todos que dividiram a casa com o ego espaçoso do ex-chanceler. Imagina o sufoco dos parentes de Nelson Jobim agora que ele não tem nada pra fazer em Brasília!