Uma janela para o céu!

Uma janela para o céu!

Tutty Vasques

29 de julho de 2010 | 06h03

reoprodução

reoprodução

Virou bagunça! A política – pra variar! – está botando a perder a ideia civilizada de se aproveitar fora do futebol o conceito de abertura da janela de transferência para mudar de vida no tempo certo, e sempre para melhor – como, aliás, fizeram brilhantemente Cláudia Raia e Edison Celulari na despedida de casados que movimentou esta semana o mundo das celebridades no Brasil.  

Mas, depois que o TRE do Maranhão abriu sua janela de transferência para tirar o deputado Sarney Filho do rol de candidaturas impugnadas pela Lei da Ficha Limpa, francamente, melhor parar com a brincadeira. Antes que, pela fresta da jurisprudência, não sobre um ficha suja sem registro para concorrer às próximas eleições.

Nenhum dos impugnados de primeira chamada parece acreditar no poder do cartão vermelho do Ministério Público Eleitoral.

Paulo Maluf, por exemplo, não teme o rigor da lei e, pelo que disse dia desses à imprensa, tampouco reconhece no eleitor autoridade para alijá-lo do jogo parlamentar: “Só Deus vai me tirar da vida pública”.

Precisa ver, no caso, quando vão abrir de novo a janela de transferência de políticos para o céu, né?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.