‘Wim Wenders e aprendenders!’

Tutty Vasques

14 de julho de 2014 | 22h00

ilustração pOjucanA Alemanha como referência do que se deve fazer no Brasil talvez seja o grande legado que fica da Copa do Mundo, mas, se vamos copiar o modelo dos caras, por que toma-los como exemplo só no futebol? Os alemães, convenhamos, dão de 7 a 1 na gente em praticamente tudo que fazem fora de campo.

Se o Brasil for mesmo importar para a nossa seleção o método alemão de desenvolvimento das divisões de base, talvez valha a pena aproveitar a viagem para dar uma olhada no que andam fazendo por lá em matéria de Educação, Saúde, Segurança, Transporte, salsicha, cerveja, trem-bala, Mercedes-Benz, BMW, piloto de Fórmula-1… Como dizia o pensador nipo-germânico Matinas Suzuki Jr., “Wim Wenders e aprendenders”!

Tirando o samba, a Bahia e a Gisele Bündchen, francamente, tudo no Brasil pode ser repensado junto com o futebol, tomando-se as devidas precauções para não transformar o País numa cópia pirata da Alemanha. Já basta o teatro de Brecht que fazem por aqui!

Tendências: