Xô, baixo astral!

Tutty Vasques

30 de julho de 2012 | 22h39

ilustração pojucanAndaram espalhando pelos quatro cantos da Vila Olímpica que esta coluna secou o Diego Hypólito ao aqui aponta-lo no sábado como o atleta brasileiro mais próximo de um projeto pessoal de felicidade na Vila Olímpica.

Tá certo que exagerei, mas é mera coincidência o fato de que, justo no mesmo dia, o ginasta tenha mudado o destino de suas piruetas com aquele pouso de emergência na mais profunda tristeza da eliminação!

Enfim, quebramos a cara!

Claro que doeu muito mais nele, mas Diego precisa entender que são ossos do ofício – menos até de quem escreve, sair por aí dando duplo twist carpado é muito mais arriscado.

Um campeão mundial como ele não pode se deprimir a ponto de dizer com todas as letras nas redes sociais: “Amarelei!”

Baixo astral, como se sabe, pega: “O sofrimento de um é o sofrimento do outro”, definiu no domingo Daniele Hypólito, após superar o irmão em número de quedas. E ainda teve aquela choradeira toda pela anunciada aposentadoria de Daiane dos Santos.

Tomara que Sergio Sasaki e Arthur Zanetti, ginastas brasileiros ainda vivos na competição, estejam isolados deste clima de velório da equipe.

Vamos lá torcer pelos meninos, Diego! Sai dessa, rapaz!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.