Ziriguidum na Putinália

Tutty Vasques

06 de março de 2014 | 06h13

reproduçãoSe o carnaval fosse uma festa mais globalizada, Vladimir Putin seria o enredo perfeito para um samba do crioulo doido sobre a atual conjuntura internacional. Nota 10 em evolução no noticiário, o presidente russo tem pulado de um assunto para outro nas manchetes de jornal sem perder o rebolado. Agora mesmo, trocou o protagonismo na Olimpíada de Inverno de Sochi pelo comando dos jogos de guerra na Ucrânia com a mesma naturalidade com que o crioulo doido original misturava o nascimento de JK com o casamento da princesa Leopoldina, ambos em Diamantina.

Desfilaram pela história recente de Putin grandes alas de ativistas ambientais, fãs da banda punk Pussy Riot, militantes gays, terroristas separatistas chechenos e, neste carnaval em particular, de tártaros da Crimeia. Junte-se a isso o gosto do personagem por tigres siberianos e artes marciais, além de seu passado de agente da KGB e, convenhamos, é ou não é o enredo dos sonhos de todo carnavalesco?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.