A vingança mesquinha de Weintraub

A vingança mesquinha de Weintraub

Ministro da Educação, desde o começo de sua gestão, escancara um desprezo rançoso pelas políticas inclusivas vigentes no País. Hoje, agonizando no cargo, extinguiu as cotas para pessoas com deficiência, negros e indígenas em pós-graduações, mestrados e doutorados das Instituições Federais de Ensino Superior.

Luiz Alexandre Souza Ventura

18 de junho de 2020 | 14h14


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: Foto em zoom do rosto do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que tem pelo clara, cabelos curtos e grisalhos, barba também grisalha, usa óculos e está com um semblante sério, com a boca torcida. Crédito: Dida Sampaio / Estadão.


Abraham Weintraub, ainda ministro da Educação, mostra definitivamente porque foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar a pasta.

Desde o começo de sua gestão, Weintraub escancara um desprezo rançoso pelas políticas inclusivas vigentes no País. É uma peça de encaixe perfeito na visão de Bolsonaro sobre cotas, vagas reservadas e abertura de acessos para quem vive constantemente excluído.

Após 14 meses à frente do MEC – assumiu o cargo em 8 de abril de 2019 -, período no qual nunca perdeu uma oportunidade de avacalhar tudo o que esteve ao alcance – como, por exemplo, a bagunça do Enem no ano passado e a rasteira na TV Escola -, Weintraub sacou a caneta mais venenosa que guardava para encerrar sua destroçante atuação.

Nesta quinta-feira, 18, foi publicada a Portaria n° 545, de 16 de junho de 2020, assinada pelo ministro da Educação, que acabou com as cotas para pessoas com deficiência, negros e indígenas em pós-graduações, mestrados e doutorados em Instituições Federais de Ensino Superior.

A canetada de Weintraub revogou a Portaria Normativa nº 13, de 11 de maio de 2016, publicada pelo então ministro da Educação, Aloizio Mercadante, pouco antes do afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff do governo.

Com a expectativa da publicação de um vídeo de Bolsonaro para informar, oficialmente, a demissão do ministro, Weintraub deve ter salivado, em satisfação e êxtase, enquanto assinava a decisão. Uma vingança mesquinha, que joga um caldeirão de fogo nas mãos do substituto no comando do MEC e também do presidente.

É mais um episódio do ‘atira pra ver se pega’, estratégia habitual do governo Bolsonaro, que publica decretos e portarias dos piores tipos e, se a reação popular contrária ganhar força, volta atrás, não antes de, mais uma vez, atacar as instituições democráticas.

Nesta quarta-feira, 17, por 9 a 1, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu manter Weintraub no inquérito das fake news. E, como bem lembrou o BR Político, aqui do Estadão, o presidente Jair Bolsonaro é crítico das políticas de cotas raciais.

A provável queda de Weintraub é uma mera troca de subordinados num governo totalitário e dedicado à destruição.



Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.

VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima.

Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais, enviadas pelo Whatsapp ou Telegram são produzidas e publicadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.

Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com. E acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais:
Facebook.com/VencerLimites
Twitter.com/VencerLimitesBR
Instagram.com/blogVencerLimites



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.