Abominável PCD

Abominável PCD

Sou uma pessoa com deficiência e não aceito, jamais, ser resumido, reduzido, simplificado, encapsulado numa corruptela preconceituosa, discriminatória, excludente e, acima de tudo, estúpida.

Luiz Alexandre Souza Ventura

02 de fevereiro de 2020 | 11h00


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: Diversas pessoas sobem a rampa do Congresso Nacional, em Brasília. No primeiro plano da foto, dois homens em cadeiras de rodas. Crédito: Agência Brasil.


A sigla PCD vem ganhando espaço em reportagens, publicações nas redes sociais, apresentações corporativas e até mesmo em identificações pessoais. ‘Fulano de Tal (PCD)’ surge nos perfis de pessoas com deficiência, principalmente quando se trata do acesso ao trabalho ou do comércio de produtos específicos.

O mercado automotivo é o exemplo mais direto. A frase ‘Vendas especiais PCD’ estampa anúncios das montadoras, que sabem muito bem como as isenções de IPI, ICMS e IPVA são atrativas e mantiveram o caixa de muitas dessas empresas no azul, inclusive nas fases mais críticas da crise financeira que atinge nosso País.

No ambiente corporativo, tornou-se quase um crachá. ‘Vagas PCD’ aparecem em páginas de consultorias de RH, em textos sobre a Lei n° 8.213/1991, a conhecida Lei de Cotas, em palestras, seminários e debates.

PCD para identificar a pessoa com deficiência é abominável, a desumanização máxima, a destruição do entendimento sobre o que significa ter deficiência e conviver com impedimentos mantidos pela sociedade e seus preconceitos.

Contradiz tudo o que estamos conquistando com a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (n° 13.146/2015) e nos arremessa de volta à cela onde a discriminação e o desconhecimento nos acorrentam.

Essa horrorosa nomenclatura, PCD, é a transformação da pessoa em produto, em item de série fabricado com defeito. É a referência exclusiva à deficiência, com a eliminação da persona e a extinção do indivíduo.

Apontar uma pessoa e identificá-la como PCD é uma agressão. Escancara, mais uma vez, a absoluta ausência de compreensão sobre o ser humano, todos os seres humanos, e suas imperfeições.

PCD é abominável porque afunda a pessoa em sua condição, reduz nossa complexidade a uma característica, restringe nosso universo pessoal ao que não podemos executar.

Sou uma pessoa com deficiência e não aceito, jamais, ser resumido, reduzido, simplificado, encapsulado numa corruptela preconceituosa, discriminatória, excludente e, acima de tudo, estúpida.

PCD é a PQP!!!

____________________________________________

Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.

VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima.

Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais, enviadas pelo Whatsapp ou Telegram são produzidas e publicadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.

Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com. E acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais:
Facebook.com/VencerLimites
Twitter.com/VencerLimitesBR
Instagram.com/blogVencerLimites

____________________________________________

Tudo o que sabemos sobre:

PCDPessoas com Deficiência

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: